Balé de Repertório

Audiodescrição, você sabe o que é?

Audiodescrição, você sabe o que é? 2048 1229 Ballet Paraisópolis

Oi pessoal, tudo bem?

No post de hoje revelaremos uma surpresa incrível que teremos em nosso espetáculo #Marias que acontecerá no dia 23 de novembro às 20h no Auditório Ibirapuera Oscar Niemeyer.

Este será um evento muito especial, pois conseguiremos levar ao palco todos os nossos alunos em uma apresentação inédita. E como não queremos que ninguém fique de fora e também possa prestigiar esse espetáculo, contaremos com audiodescrição e tradução simultânea em libras durante toda apresentação. Incrível, não é mesmo?

Mas, vem cá, você sabe o que é audiodescrição?

A audiodescrição é…. espera, vamos deixar a audiodescritora Lívia Motta contar para vocês o que é e como será feito esse trabalho no dia 23 de novembro.

“O lindo espetáculo “Marias” que será apresentado pelo Ballet Paraisópolis, no dia 23 de novembro (sexta feira) no Auditório Ibirapuera, poderá ser assistido também por pessoas com deficiência visual, pois contará com audiodescrição. Este fantástico recurso de acessibilidade comunicacional amplia o entendimento e permite que as pessoas com deficiência visual possam entender e apreciar o espetáculo em igualdade de condições.

Audiodescrever um espetáculo de dança é um trabalho delicado e minucioso que precisa, necessariamente, incluir leveza na escolha das palavras, musicalidade na voz para narrar os movimentos e conhecimento de termos técnicos que traduzem os passos. Transformamos os movimentos delicados e elaborados do ballet, os lindos figurinos de muitos tutus pratos e românticos, a suave iluminação, o lindo cenário, em palavras. Tecemos ligações com o tema, com os argumentos das coreografias. Tudo isso, “junto e misturado”, para criar um todo significativo e compor um roteiro que acompanhe a estética do espetáculo.

Fotografia colorida de várias pessoas com deficiência visual na plateia de um teatro, usando fones de ouvido para audiodescrição. (Foto: Raoni Reis)

“Este fantástico recurso de acessibilidade comunicacional amplia o entendimento e permite que as pessoas com deficiência visual possam entender e apreciar o espetáculo em igualdade de condições.

 

Comecei a incluir termos mais técnicos na audiodescrição dos espetáculos de ballet, como os nomes, na sua grande maioria franceses, de passos elaborados, posturas, flexões e saltos. Para isso, tive que buscar literatura, contar com a ajuda dos coreógrafos e também dos próprios bailarinos. Mas foi o feedback de bailarinas com deficiência visual que assistiram ao espetáculo Quebra Nozes, realizado no Teatro Alfa no final de 2011, que foi determinante para isso, deixando evidente a necessidade de introduzir mais termos técnicos na audiodescrição, todos eles com uma breve explicação. Desta forma, é possível atender as expectativas tanto de leigos que podem conhecer e ampliar seu repertório cultural, como de profissionais da dança.

A possibilidade de ver com palavras um espetáculo permite as pessoas com deficiência visual o acesso a todas as informações visuais e, para os videntes, oferece uma oportunidade de entender mais sobre o enredo e os detalhes da apresentação. Com isso, é garantido o acesso a todos os telespectadores, os quais, ampliam o seu repertório cultural e desenvolvem o senso de observação.”

Texto de Lívia Motta, audiodescritora, formadora de audiodescritores e diretora da empresa VER COM PALAVRAS AUDIODESCRIÇÃO.

#MARIAS

Temporada 2018, SPCD no Teatro Alfa

Temporada 2018, SPCD no Teatro Alfa 768 461 Ballet Paraisópolis

Oi pessoal, tudo bem?

Estamos de volta aqui no #BlogBP para compartilhar com vocês nossa ida ao Teatro Alfa, no dia 16 de setembro, para assistir a São Paulo Companhia de Dança. O espetáculo contou com três coreografias do repertório da companhia e nossas alunas vão contar um pouco de como foi a experiência delas nesse dia.

“Fui convidada pelo Ballet Paraisópolis para assistir a uma apresentação no Teatro Alfa da São Paulo Companhia de Dança, que apresentou três coreografias: “Melhor Único Dia”, “14’20”, e “Odisséia”. O primeiro balé é uma obra contemporânea muito bem apresentada, repleta de movimentos diferentes, que chamou minha atenção e mostrou bem a intenção de que devemos viver cada dia como se fosse o último. O segundo balé foi o que mais me prendeu. Foi um duo contemporâneo muito interessante, com belos bailarinos que souberam interpretar, através da dança, as questões de tempo, amor, vida e morte.” Ass.: Priscila Pinheiro

“A primeira coreografia, chamada Melhor Único Dia, nós já conhecíamos, pois em uma visita da bailarina Beatriz Hack no projeto, aprendemos alguns passos. Tanto é que quando os bailarinos começaram a dançar, a gente começou a dançar junto. O espetáculo que eles fizeram foi tão deslumbrante que nós, que estávamos na platéia, conseguimos sentir e enxergar o que eles queriam passar, o sentimento, a agonia e a história. É inexplicável a energia e a inspiração que eles passam. Saio de lá querendo dançar mais e mais.”Ass.: Kemilly Luanda

“Nós bailarinos temos que ganhar o público, mas não apenas com beleza e sim com a alma, com o corpo e com o coração.” Ass.: Mariana Farias

#SPCD

Romeu e Julieta, Ballet de Santiago no Teatro Alfa

Romeu e Julieta, Ballet de Santiago no Teatro Alfa 768 461 Ballet Paraisópolis

Olá, pessoal.

Por acaso vocês já assistiram ao famoso balé de repertório “Romeu Julieta”?

Bom, no dia 18 de agosto, sábado, fomos até o Teatro Alfa e tivemos a oportunidade de levar 10 alunos para assistirem a releitura dessa clássica história de amor que há séculos encanta o público em todo o mundo.

A obra foi apresentada pela companhia chilena Ballet de Santiago, a qual tem como diretora desde 2004, a consagrada brasileira Marcia Haydée. Considerada uma das mais importantes coreografias do repertório da dança clássica, o balé “Romeu e Julieta”, releitura da famosa obra de Prokofiev baseada na peça de Shakespeare é uma interpretação rigorosa e divertida do clássico.

Confira nos depoimentos de nossos alunos  como foi essa noite especial no Teatro Alfa.

Sábado, dia 18 de agosto, recebemos um convite para assistir “Romeu e Julieta” no Teatro Alfa. Foi incrível, eu presenciei a história de um romance antigo. O que mais me impressionou foi a Julieta, ela me encantou, não só pelos seus movimentos e técnica, mas pelo seu romance com o Romeu. Me fez entender como entrar no personagem, como mostrar amor pela dança com técnica e prazer, eles me arrepiaram do pé até os últimos fios de cabelo. Ass: Mariana Farias

Foi a primeira vez que assisti esse ballet e foi muito mais do que imaginava. Sai do Teatro encantada com o que vi e vou levar para vida como inspiração, tanto da técnica como das expressões faciais que foram feitas pelos bailarinos. Ass: Giovana Ferreira

 O cenário foi espetacular. Gostei muito, pois eu nunca tinha visto de perto a troca de um cenário e foi tudo muito rápido, bastante divertido. Ass: Tamires Caroline

É um ballet dramático que possui muitas interpretações, intenções e depende muito dos bailarinos para ser bem entendido pelos telespectadores. A primeira bailarina foi simplesmente perfeita para o papel de Julieta, ela soube interpretar muito bem e tinha um físico maravilhoso, fiquei encantada com essa bailarina e espero ver mais físicos assim na minha vida. Espero ter outras oportunidades como esta, já fui algumas vezes no Teatro Alfa e sempre parece que é a primeira vez que que vejo ele. É o meu Teatro preferido, gostaria que todos tivessem essa oportunidade alguma vez na vida, é uma experiência única e emocionante. Obrigado Ballet Paraisópolis! Ass: Priscila Pinheiro

#Romeu&Julieta

X