São Paulo Companhia de Dança

Temporada 2018, SPCD no Teatro Alfa

Temporada 2018, SPCD no Teatro Alfa 768 461 Ballet Paraisópolis

Oi pessoal, tudo bem?

Estamos de volta aqui no #BlogBP para compartilhar com vocês nossa ida ao Teatro Alfa, no dia 16 de setembro, para assistir a São Paulo Companhia de Dança. O espetáculo contou com três coreografias do repertório da companhia e nossas alunas vão contar um pouco de como foi a experiência delas nesse dia.

“Fui convidada pelo Ballet Paraisópolis para assistir a uma apresentação no Teatro Alfa da São Paulo Companhia de Dança, que apresentou três coreografias: “Melhor Único Dia”, “14’20”, e “Odisséia”. O primeiro balé é uma obra contemporânea muito bem apresentada, repleta de movimentos diferentes, que chamou minha atenção e mostrou bem a intenção de que devemos viver cada dia como se fosse o último. O segundo balé foi o que mais me prendeu. Foi um duo contemporâneo muito interessante, com belos bailarinos que souberam interpretar, através da dança, as questões de tempo, amor, vida e morte.” Ass.: Priscila Pinheiro

“A primeira coreografia, chamada Melhor Único Dia, nós já conhecíamos, pois em uma visita da bailarina Beatriz Hack no projeto, aprendemos alguns passos. Tanto é que quando os bailarinos começaram a dançar, a gente começou a dançar junto. O espetáculo que eles fizeram foi tão deslumbrante que nós, que estávamos na platéia, conseguimos sentir e enxergar o que eles queriam passar, o sentimento, a agonia e a história. É inexplicável a energia e a inspiração que eles passam. Saio de lá querendo dançar mais e mais.”Ass.: Kemilly Luanda

“Nós bailarinos temos que ganhar o público, mas não apenas com beleza e sim com a alma, com o corpo e com o coração.” Ass.: Mariana Farias

#SPCD

A Gala do Balé da Cidade de São Paulo

A Gala do Balé da Cidade de São Paulo 768 461 Ballet Paraisópolis

Olá, pessoal.

No dia 11 de agosto, sábado, fomos convidados para assistir a Gala do Balé da Cidade de São Paulo. O evento aconteceu em comemoração aos 50 anos do BCSP e promoveu o encontro de três grandes companhias: Balé da Cidade de SP, São Paulo Companhia de Dança e Balé do Theatro Municipal do Rio do Janeiro, as quais dividiram o palco do Theatro Municipal de SP, unindo a dança clássica com o contemporâneo.

A procura por ingressos foi muito grande, fato que se comprovou no dia do evento com a lotação máxima da casa. Veja sob os olhares da nossa aluna, Yasmin Araujo, como foi essa noite fria, porém mágica no Theatro Municipal de SP.

Bom, 11 de agosto de 2018, sábado, 20h00, fui ao Theatro Municipal para assistir a Gala do Balé da Cidade de São Paulo (Panorama e Memória). Esta Gala de dança celebra a história dessas companhias, que, desde sua criação até hoje, são testemunhas inigualáveis de empenho. Esta brilhante ideia foi do diretor artístico do Balé da Cidade de São Paulo: Ismael Ivo. Foi do nosso grande mestre diretor que surgiu essa ideia magnífica de unir as duas companhias ao Balé da Cidade e fazer com que esta noite se tornasse mágica e realmente imperdível, com a presença das diretoras e primeira bailarina Ana Botafogo e Cecília Kerche. A presença delas na Gala para mim foi de extrema importância, porque, além de serem mestres da dança, são um exemplo de vida na área da dança. Eu amei! A experiência no Teatro Municipal de São Paulo foi incrível! Foi muito gratificante pra mim. Obrigada, Ballet Paraisópolis.

Sobre a apresentação, eu gostei muito e foi muito especial. Foram cinco coreografias. A primeira foi “O Lago do Cisne” (ato 2), executado pela São Paulo Companhia de Dança. Foi realmente incrível, uma sensação tão gostosa. Cada passo um toque, cada toque um sentimento. E a São Paulo Companhia de Dança deixou nítido o que é dançar com o personagem e a técnica.

A segunda coreografia, “Pas de Trois” (do ato 1 do Lago do Cisne) foi representado pelo Ballet do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Fiquei apaixonadíssima, pois o espetáculo conta o momento no qual os amigos do príncipe Siegfried apresentam-se no jardim do castelo real.

A terceira coreografia foi “Melodia de Gluck” (pas de deux), também representada pelo Ballet do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Gostei bastante também.

A quarta coreografia foi “Gopak” (solo), também representada pelo Municipal do Rio de Janeiro. “Gopak” é a dança popular da Ucrânia. Eu fiquei surpreendida com o bailarino Cícero Gomes. Um espetáculo, um artista fora do normal. Ele foi surreal, eu adorei!

O último balé foi representado pelo Balé da Cidade de São Paulo, com a coreografia “Adastra”, que foi meu predileto porque “Adastra” é uma filosofia da vida, um ponto de reflexão, como o percurso a seguir para encontrar a estrela que cada um carrega dentro de si.

Eu amei ter essa experiência com as três companhias e fiquei realmente muito feliz, muito obrigada! Isso não tem preço. Muito obrigada ao Theatro Municipal por sempre unir a área da dança.

Ass: Yasmin Araujo de Melo

#GalaBaléDaCidadeSP

X